18 dezembro 2016

RETROSPECTIVA: Os melhores do ano - 2016

Durante todo o ano em que o nosso Informe Tecnológico esteve no ar, foram inúmeros acessos diariamente. E como sempre, ao final de um novo tempo fazemos a nossa retrospectiva.
Os melhores do ano - 2016
Seleção do Top 3 artigos mais acessados!


+Portal 2cmultimidia.com apresenta a seleção dos artigos de maior acessos no site e nas redes sociais neste ano de 2016. Logo a baixo, o Top 3:

Incríveis esculturas em papel. Confira!

Conheça o trabalho do designer e ilustrador Rafa Miqueleto, um paulista que se inspirou no InkTober 2016 para criar incríveis esculturas em papel. O projeto contou com a participação de artistas do mu... Leia mais!

7 Ilustrações em duas versões homenageia artistas e gurus da tecnologia

Uma série de ilustrações de personagens, onde cada um deles, ocupa o mesmo lugar seu 'Eu' passado, com o seu 'Eu' atual, cada personagem contém algum detalhe do que foi sua essência ao longo de su... Leia mais!

Como fazer fogo usando um limão. Descubra!

Quando a vida lhe der limões, faça uma limonada! Certo? É assim que diz o ditado, mas saiba que também é possível fazer fogo - isto mesmo -, fazer fogo quando você esquecer do isqueiro e dos fósforos. Pode p... Leia mais!

Um novo tempo está por vir! ~ +Charliton Carvalho  (Criador e editor-chefe do Portal 2cmultimidia.com)

REFERÊNCIAS:

Ir para cima
↑ - fb.me/2cmultimidia │ ↑ - 2cmultimidia.com

Salvar como: PDF | Link curto:

08 dezembro 2016

7 formas de Cyberbullying: a violência virtual!

Pela internet e pelo celular, as mensagens com imagens e comentários depreciativos se alastram numa velocidade que tornam o bullying ainda mais perverso.
7 formas de Cyberbullying: a violência virtual!
Imagem: Thinkstock
Para falarmos sobre cyberbullying, definimos o que é, o que caracteriza e quais as formas mais comuns:
No Brasil, vem aumentando rapidamente o número de casos de violência desse tipo.

O QUE É CYBERBULLYING?

Todo mundo que convive com crianças e jovens sabe como eles são capazes de praticar pequenas e grandes perversões. Debocham uns dos outros, criam os apelidos mais estranhos, reparam nas mínimas "imperfeições" - e não perdoam nada. Na escola, isso é bastante comum. Implicância, discriminação e agressões verbais e físicas são muito mais frequentes do que o desejado. Esse comportamento não é novo, mas a maneira como pesquisadores, médicos e professores o encaram vem mudando.

Há cerca de 15 anos, essas provocações passaram a ser vistas como uma forma de violência e ganharam nome: bullying (palavra do inglês que pode ser traduzida como "intimidar" ou "amedrontar"). Sua principal característica é que a agressão (física, moral ou material) é sempre intencional e repetida várias vezes sem uma motivação específica. Mais recentemente, a tecnologia deu nova cara ao problema. E-mails ameaçadores, mensagens negativas em sites de relacionamento e torpedos com fotos e textos constrangedores para a vítima foram batizados de cyberbullying.

CARACTERÍSTICAS DO CYBERBULLYING

O cyberbullying tem algumas características bastante peculiares que são diferentes do bullying tradicional:

Anonimato: O agressor é muitas vezes anônimo. A vítima fica se perguntando quem é o cyberbully, o que pode causar um grande estresse.

Acessibilidade: Há geralmente um período padrão de tempo durante o qual os agressores têm acesso a suas vítimas. Os cyberbullies podem causar sofrimento a qualquer hora do dia ou da noite.

Medo de punição: Muitas vezes as vítimas do cyberbullying não denunciam por medo de represálias de seus agressores e medo de que seus privilégios relativos ao computador ou telefone lhes sejam tirados. Geralmente as respostas dos adultos para cyberbullying são tirar o celular e o computador de uma vítima, que em seu entendimento pode ser visto como punição.

Espectadores: O fenômeno de ser um espectador no mundo cibernético é diferente na medida em que se pode receber e transmitir e-mails, páginas da Web, imagens etc. O número de espectadores no mundo cibernético pode chegar a milhões.

Desinibição: O anonimato proporcionado pela internet pode levar os jovens a ter comportamentos que não podem realizar face a face. Ironicamente, é o seu próprio anonimato que permite a alguns indivíduos intimidar outros.

7 FORMAS DE CYBERBULLYING

O cyberbullying pode assumir muitas formas. No entanto, existem sete formas que são as mais comuns, como mostra na ilustração aseguir:

7 formas de Cyberbullying: a violência virtual!

No bullying o processo para uma vítima se tornar agressor é lento, mas no cyberbullying quase todos se tornam coagressores por participarem das mensagens. Pense nisso!

REFERÊNCIAS:

Ir para cima
↑ - 2cmultimidia.com │ ↑ - bullyingcyberbullying.com.br

Salvar como: PDF | Link curto:

13 novembro 2016

Incríveis esculturas em papel. Confira!

Conheça o trabalho do designer e ilustrador Rafa Miqueleto, um paulista que se inspirou no InkTober 2016 para criar incríveis esculturas em papel. O projeto contou com a participação de artistas do mundo todo, criando ilustrações com tinta.

Miqueleto criou o PaperTober (uma escultura de papel por dia) e escolheu como temas: ferramentas de trabalho, brinquedos dos anos 90, ícones de filme e halloween.

Confira o resultado da primeira edição:


BB-8 (Star Wars: The Force Awakens)
Máquina de escrever com uma tecla só.
Disquete de computador
Latinha de refrigerante
Lápis de cor
Tabuleiro de xadrex
Tesoura
Jogo (Bichinho virtual)
Fantasminha (Buuuh!)
Sanfona (acordeon).
Teclado musical


 Para conhecer a coleção com outros trabalhos do artista, clique aqui!

REFERÊNCIAS:

Ir para cima
↑ - behance.net │ ↑ - 2cmultimidia.com

Salvar como: PDF | Link curto:

09 outubro 2016

10 ilustrações incríveis para questionar o progresso

O que aconteceu com o mundo?

Quando nos referimos à evolução, logo surgem questões que até agora continua a causar muita discussão em todo o mundo. Algumas pessoas acreditam que a humanidade continua a avançar e não há nada para se preocupar. Outras, ao contrário, estão certas de que, por alguma razão a evolução parou e começou um período de estagnação.


Confira algumas caricaturas traduzidas por uma equipe de designers, artistas, publicitários e jornalistas muito acertadas do mundo moderno que fazem você pensar se a humanidade está agindo corretamente.
 © favoritasupreme
© (c)Joel Marsh
© (с)Gunduz Aghayev
© (c)Horia Crisan
© (c)maentis
© (с)Glenn Jones
© (c)Dan Piraro
© bycentaur
© (с)David Horsey 
© kudelka 

REFERÊNCIAS:

Ir para cima
↑ - incrivel.club │ ↑ - 2cmultimidia.com

Salvar como: PDF | Link curto:

03 setembro 2016

Diferença entre carros autônomos e carros com piloto automático

O conceito por trás dos carros autônomos é muito recente em nossa história. Tornou­se realidade por meio do investimento da marca Tesla e por iniciativa de diversas outras montadoras concorrentes. Não apenas as grandes marcas automotivas têm interesse nesse tipo de projeto, empresas como Google e Apple já estão engajadas em lançar seus modelos de carros autônomos.
Carros autônomos e carros com piloto automático
Carros autônomos e automáticos
Este texto é um guest post enviado por Érico Rocha, analista de SEO da agência de performance Lead Force.
Há questões de ética e filosofia que dificultam o processo: O que deve fazer um motorista se o carro está se dirigindo em direção aos pedestres e a única opção de desvio é dirigir de um penhasco? Quem é responsável em caso de atropelamento? O carro em si, o proprietário, quem fabricou o veículo ou projetou o sistema?

Atualmente, podemos observar casos polêmicos envolvendo a própria Tesla, onde já ocorreu mais de um acidente, envolvendo o modo de controle autônomo do carro, ou como alguns erroneamente falam: o piloto automático​. Você sabia que na realidade, o modalidade de piloto automático já existe no ramo automotivo a mais ou menos 50 anos?

Foi em 1944 que Ralph Teeter, um inventor cego, concebeu o primeiro protótipo de controlador de velocidade, em sua própria casa em Hagerstown, Indiana (Estados Unidos). A Perfect Circle Corporation (atual Dana Corporation) conduziu o projeto durante três décadas desenvolvendo, testando e abrindo o mercado para controladores de velocidade, a verdadeira e correta denominação para o tão famoso piloto automático!

Em 1958, a Chrysler Corporation torna­se cliente e incorpora o piloto automático em seus veículos, seguida pela Cadillac no ano seguinte, assim como a Chevrolet, que em 1960 entra para a lista de clientes. Seus revendedores instalam o cruise control como opcional.

Com o passar dos anos, a patente teve várias atualizações, principalmente durante os anos 70. Após isso foram sendo incorporados novos clientes como o Alfa Romeo (1989) e muitos outros, como por exemplo: Honda​, Ford ​e Volkswagen​. Na década de 90 houveram grandes atualizações na tecnologia que tornaram possível a fabricação do Ultra Cruise I e II.

Atualmente cerca de 90% dos usuários confirmaram satisfação no uso do piloto automático (cruise control), destacando sua importância nas viagens, como um sistema que proporciona muito mais conforto e tranqüilidade devido a redução do desgaste da viagem, poupando o usuário de movimentos contínuos que provocam esforços musculares e dores lombares. O descanso proporcionado por não ter necessidade de manter uma das pernas esticada com o pé no acelerador.

Isso sem deixar de citar o fato de que com o piloto automático (cruise control) é possível se livrar de multas, já que pode ser programado para a velocidade desejada, obedecendo aos limites do radar. Quando o carro atinge velocidade não permitida pelo radar de forma ágil, este acessório se torna muito importante para o bolso. Isso sem falar na redução no consumo de combustível. Este fato ocorre porque o veículo mantém uma velocidade constante que pode proporcionar uma economia no consumo de 20 a 30%, dependendo do veiculo.

Basicamente a principal diferença entre carros autônomos e carros com piloto automático é que basicamente o primeiro é controlado inteiramento por uma inteligência artificial. e o piloto automático é um sistema de controle de velocidade. Nesse momento, precisamos lembrar de que o carro do futuro será na realidade mais semelhante a um robô, e ele teria que estar condicionado às leis da robótica de Isaac Asimov, mas como inserir isso no contexto urbano do trânsito? No caso do piloto automático (cruise control), ela é uma tecnologia que levou 30 anos para amadurecer, será que os carros autônomos do futuro conseguirão ter esse timing?

REFERÊNCIAS:

Ir para cima
↑ - 2cmultimidia.com │ ↑ - 2cmultimidia.com

Salvar como: PDF | Link curto:
Postagens mais antigas Página inicial
Criação de Site
InvestimentoInicial: R$ 450
Ferramentas e recursos inclusos
Otimização - SEO Yes
Integração com redes sociais Yes
Designer moderno Yes
Layout responsive Yes
Endereço personalizado Yes
Manutenção Yes
Suporte Gratis 100%
Identidade Visual
InvestimentoInicial: R$ 170
Planos e pacotes disponíveis
Logotipo vetorizado Yes
Cartão de visita Yes
Banner publicitário Yes
Walpaper - papael de parede Yes
Capa para Facebook Yes
E-mail Marketing Yes
Suporte Gratis 100%

SOBRETERMOS INFORMAR ERROCONTATOFAQ